O sangue negro jorra no chão do Brasil

Cada dia com uma agonia. A sociedade na letargia vê a covardia e não faz nada. Morre um homem negro americano e a indignação explode. O Carrefour mortal é palco de mais uma tragédia que matou um homem negro brasileiro e o tribunal da internet brada: “precisa saber o que ele fez”.

Brasil. 2020. Século XXI de nenhuma piedade ou respeito ao ser humano. Um país conduzido pela mão suja da ditadura e vivido pela passividade do povo diante da barbárie.

Enquanto nos preocupamos com o Pix e a vontade de ir para praia, pessoas morrem vítimas de uma violência que tomou conta do tecido social em todos os seus retalhos. O tiro mata o jovem negro. A asfixia do mata-leão tira a vida que existe na pele preta. A anemia falciforme e a falta de saneamento básico ceifam as pequenas vidas nas periferias.

Hoje é dia de reflexão, indignação e quem sabe, solução. 20 de novembro é Dia da Consciência Negra no Brasil. Vamos lembrar da Revolta de Búzios, Dandara, Marielle, Milton Santos, Le Brown James, Mariguella e Lewis Hamilton. Lembremos dos Josés, Marias e seus filhos e filhas que com seus sangues molham o chão palco da violência.

Humberto Costa é presidente da ASMS